Últimas Resenhas

[Resenha] Roleta Russa - Jason Matthews

27 junho 2015

Título: Roleta Russa
Autor: Jason Matthews
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Páginas: 426


Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de forma abrupta. Logo em seguida, mais um golpe: a morte inesperada do pai, seu melhor amigo.
Desnorteada, Dominika cede à pressão do tio, vice-diretor do serviço secreto da Rússia, o SVR, e entra para a organização. Pouco tempo depois, é mandada à Escola de Pardais, um instituto onde homens e mulheres aprendem técnicas de sedução para fins de espionagem. Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe uma importante missão: conquistar o americano Nathaniel Nash, um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR.
Logo Dominika e Nate entram num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro.


Oi oi gente! Tudo certo?
Hoje trago para vocês a resenha de um livro diferente do que costumo ler. Eu o tenho em minha estante há mais de um ano, mas só agora decidi que era o momento de ler.
Em Roleta Russa somos apresentados há uma verdadeira trama de espionagem. Escrito por um agente da CIA, só consigo pensar que tudo relatado naquelas páginas foi o mais fiel possível à realidade.

Na trama temos duas nações representadas por agentes capacitados, que em muitos casos são levados às últimas consequências para conseguirem o que seus países de origem querem.
Dominika é uma garota especial. Desde muito pequena a sua percepção do mundo é diferente e embora isso a ajude em muitos aspectos, em alguns casos interfere em sua forma de julgamento e discernimento. Após ver seu sonho de atuar no balé Bolshoi ir por água a baixo e em um golpe duro ter que encarar a morte do pai, Dominika é convencida por seu tio, Vania Ergorova, à entrar para o SRV, o serviço secreto da Rússia.
Cedendo à pressão do tio e tentando preservar a mãe tanto quanto possível, Dominika se vê envolvida na teia de espionagem. Usando da beleza da jovem, seu tio a convence à ir para uma escola cujo único objetivo é treinar os agentes e torna-los experts na arte da sedução para fins de espionagem.
Do outro lado da trama temos o americano Nate Nash, um jovem que tem em suas mãos um informante do mais alto nível, já que ele encontra-se infiltrado dentro do SRV. Quando Vania descobre a relação de Nate com um de seus homens, ele logo destaca a sobrinha para o caso, então Dominika tem em suas mãos o desafio de fazer Nate, um agente mais do que treinado e capacitado, abrir a boca e entregar a identidade de seu informante.
Apesar de todo preparo e técnica que ambos sabem, Dominika e Nate se veem atraídos, e isso de certa forma compromete alguns aspectos da missão, tornando tudo mais delicado e secreto do que já era, isso por ambas as partes.
Falando assim, parece que Dominika e Nate vivem um romance tórrido em meio a investigação, mas isso de fato não ocorre. Visto que esse não é o foco da história, o romance acaba ficando em segundo plano, o que me desanimou um pouco, já que eu esperava um pouco mais nesse aspecto.
A história é bem intensa, densa, detalhada e em algumas partes retratada com frieza. Tanto as missões, quanto as execuções e as técnicas de tortura. Em meio às páginas é possível ter ideia do que o poder é capaz de fazer com as pessoas e o quanto ele pode influenciar significativamente na vida de outras.

Personagens secundários: A narrativa conta com uma quantidade relativamente grande de personagens e em alguns momentos me perdi no enredo, principalmente por usarem mais de um nome para a mesma pessoa em questão.
Os personagens são complexos, com personalidade forte e em muitos momentos fazem com que o leitor fique apreensivo, sem sabe se de fato são confiáveis, mas quando isso é retratado por Dominika, tudo fica mais claro.

Capa e diagramação: A capa é linda, misteriosa e retrata muito bem uma passagem do livro. A história é narrada em terceira pessoa e a diagramação é simples.
Com muitas palavras escritas em russo e muitas deles sem uma explicação clara do significado, isso acabou sendo um ponto negativo. Por outro lado, achei bem legal o fato de ao final de cada capítulo ter a receita de um dos pratos consumidos durante o capítulo.

Comentários: Desde já peço que me desculpem por não separar nenhum quote, mas de fato não vi dada em especial que queira destacar. Li o livro há mais ou menos três semanas e ainda estou sem conseguir me expressar muito sobre ele. Acho que criei um pouco de expectativas demais com relação ao romance por conta da premissa e quando o mesmo não foi tudo o que eu esperava, me frustrei.
O livro é bom, mas não é algo que eu gostaria de reler, pelo menos num futuro próximo. Ele não me conquistou da mesma forma que outros romances policiais fizeram, como no caso de “O Aliciador”, também já resenhado por mim.
Apesar de tudo dei três estrelinhas e a musica escolhida para a leitura foi Tiptoe, do Imagine Dragons.

Real Time Web Analytics