Últimas Resenhas

[Séries] Os 13 Porquês - Jay Asher

13 abril 2017



Olá 
Pessoal!!!
Faz pouco tempo que essa série estreou na Netflix, e independente disso a audiência esta  bombando, seja pelo livro ou pelo tema, ainda não tenho certeza, mas de certa forma me vi presa ao enredo e depois de não ter tido coragem de ler, achei que assistir, seria bem mais fácil.... Doce ledo engano.

Não vou seguir o padrão! Todo mundo já viu, todo mundo já sabe, a série 13 Reasons Why foi baseada no livro de Jay Asher, a primeira edição do livro qui no Brasil data de 2009, e aí nos perguntamos, porque demorou tanto para fazer sucesso? Sinceramente? Não sei, mas gosto de acreditar nas palavras do meu amigo Luiz, tudo tem uma hora certa.




Assim que a série saiu eu comecei a assistir, claro que relutei um pouco, mas fui arrastada pelas multidões e me rendi, quando cheguei no Décimo primeiro capítulo, contando que são 13, parei para respirar... senti que a série estava mexendo com o meu emocional e que precisava de um tempo para me preparar para os dois últimos capítulos, mas aparentemente, não esperei o suficiente, já que escrevo essa resenha em prantos.

Durante essas semanas vi a série ser analisada de várias formas, tanto vi pessoas elogiarem quanto ofenderem, vi pessoas indicarem e também vi sites darem motivos para que a série não fosse assistida. E saindo daquilo que estou acostumada, não vou indicar ou não, vou apenas dizer o que eu senti, como a série mexeu comigo, assim usem seus livre arbítrios e decidam por si só.

Adolescentes são criaturas cruéis.. Estou generalizando? Talvez, mas se cutucar um pouquinho, todo mundo vai perceber que já fez uma maldade na adolescência, eu já fiz... assim como já fizeram várias comigo, coisas que parecem banais, mas que marcam as pessoas até o fim. Já fui a gorda demais e a magra demais, já me chamaram de Caloi 10, assim como já me chamaram de Rolha de Oceano.. Aos 12 anos sofri uma paralisia facial, a metade direita do meu rosto ficou totalmente paralisada, e assim me tornei o Marinheiro Popay, naquela época, eu tinha 2% de chance de voltar ao normal, eu não queria sair de casa, eu não queria nada, ah não ser chorar, pros meus colegas de classe, isso era hilário, pra mim? Um humilhação...

Quando comecei a assistir a série, percebi que tudo aquilo que eu via acontecer na minha época de escola estava acontecendo com a Hanna, a diferença é que no meu colégio cada acontecimento se referia há uma pessoa, na série? Hanna era o alvo de todas. Piadas sem graça, fofocas malvadas e dissimuladas, inveja, ciúme, disputa por status, tudo isso mexeu com o psicológico dela, mas acima de tudo ninguém percebeu.

Há quem diga que o suicídio foi romantizado, há quem aponte a atitude dela como vingança, eu sinceramente não consigo ver de nenhuma dessas maneiras, acredito sim que essa foi a forma dela mostrar para as pessoas aquilo que a machucou, já quem em vida ninguém se importou em ouvir, uma forma de mostrar para aqueles que fecham os olhos para uma morte, que talvez eles tenham algo a ver apesar de se negarem, uma forma de tentar trazer um pouco de humanidade para aqueles adolescentes, para que quem sabe eles não cometam as mesmas crueldades com outras pessoas. 

Me perguntaram porque eu não chorei lendo Por Lugares Incríveis, um livro tão sensível, e também com a temática do suicídio... simples, meu sentimento de raiva foi maior que o de dor.. Ver as pessoas serem relapsas com Finch me deixou irritada. Pessoas morrem todos os dias isso é normal... Pessoas se matam todos os dias, isso tem que acabar!!!

Há quem diga que um suicida é um covarde, uma pessoa que por medo de encarar sua realidade preferiu tirar a própria vida, eu prefiro acreditar que acima de  tudo ele é um corajoso desesperado.. tirar a própria vida deve ser assustador, mas tamanho o seu desespero, se tornar menos assustador que enfrentar aquilo que extinguiu sua força de viver.

Hanna poderia ter sido salva? Há quem diga que sim, há quem diga que não.. Podemos salvar nossos amigos e familiares? Sim.. basta se manter mais atento as atitudes, ao silêncio e as tristezas, nunca apontar como um mimimi ou um drama para chamar atenção, porque essas palavras são o gatilho para o nosso silêncio. 

Não somos responsáveis pela vida da outra pessoa, mas somos responsáveis por ajudá-las a querer viver!


"Temos que melhorar,a maneira como tratamos uns aos outros,como olhamos uns para os outros,temos que melhorar.."
Real Time Web Analytics